É Melhor Não Trabalhar nas Empresas Onde Você Precisa Pedir Aumento

Nader Fares
6 min readDec 12, 2021

É o início de 2014 — o momento em que Mary Beth Brown decidiu pedir um aumento, mas nunca pensou que isso colocaria um fim em seu relacionamento profissional de 12 anos com Elon Musk.

Brown trabalhou para o Tony Stark da vida real, Elon Musk por 12 anos. Ela trabalhou duro, se deslocava entre Los Angeles e o Vale do Silício semanalmente, trabalhava até tarde da noite e até nos fins de semana.

Ela costumava cuidar da programação de Musk em duas empresas (SpaceX e Tesla), gerenciava as relações-públicas e, com frequência, ajudava Musk a tomar decisões de negócios.

Brown era como uma extensão de Musk. Pelo menos, ela se sentia assim.

Ashlee Vance, em seu livro "Elon Musk: Tesla, SpaceX, and the Quest for a Fantastic Future", mencionou essa história e descreveu Brown assim:

“Brown — ou MB, como todos a chamavam — se tornou a assistente leal de Musk, estabelecendo uma versão da vida real da relação entre Tony Stark do Homem de Ferro e Pepper Potts. Se Musk trabalhava vinte horas por dia, Brown também trabalhava. Ao longo dos anos, ela trouxe refeições para Musk, marcou seus compromissos de negócios, arranjou tempo com seus filhos, escolheu suas roupas, atendeu aos pedidos da imprensa e, quando necessário, tirou Musk das reuniões para mantê-lo dentro do cronograma. Como resultado, ela emergiu como a única ponte entre Musk e todos os seus interesses e foi um ativo inestimável para os funcionários das empresas.”

Ashlee também mencionou que Brown teve uma contribuição notável no desenvolvimento da cultura inicial da SpaceX, pois prestou muita atenção a cada detalhe e ajudou a equilibrar a energia no escritório.

Então, no início de 2014, Brown foi até Musk com muita esperança e pediu um aumento.

Como resposta, Musk disse a Brown para tirar algumas semanas de folga para que ele pudesse perceber o valor das responsabilidades de Brown, na ausência dela. Na verdade, Musk queria perceber o quão indispensável Brown era para ele.

“Eu disse a ela: ‘Olha, eu acho você muito valiosa. Talvez essa compensação esteja certa. Você precisa tirar duas semanas de férias e eu irei avaliar se isso é verdade ou não ‘”, disse Musk, de acordo com as notas de rodapé de Ashlee.

Então, Brown tirou uma folga de 2 semanas e Musk assumiu seu trabalho.

Depois das duas semanas, Brown volta ao escritório, e Musk disse-lhe que não precisava mais de seus serviços.

De acordo com Musk , “Quando ela voltou, minha conclusão foi apenas que o relacionamento não iria funcionar mais. Doze anos é muito tempo para qualquer emprego. Ela fará um ótimo trabalho para alguém. ”

Foi um verdadeiro choque para Brown. Quero dizer, ninguém é demitido por pedir aumento, certo?

No livro, Ashlee escreveu que este evento sem cerimônia atingiu as pessoas dentro da SpaceX e Tesla e confirmou a tradição em torno do estoicismo cruel e da falta de empatia de Musk.

Musk alegou que ofereceu a Brown outro emprego com a mesma remuneração, mas Brown recusou e deixou a empresa.

Agora a questão é: por que Musk demitiu dua assistente de longa data, que fez tudo certo durante muito tempo? Era tudo sobre pedir mais dinheiro? Ou a epifania de Musk de que seu relacionamento não estava mais funcionando? Ou a falha de Brown em julgar, ou compreender Musk, apesar de trabalhar com ele por doze anos?

Do ponto de vista de Brown, é evidente que ela estava confiante em sua contribuição para as empresas de propriedade de Musk, portanto, queria que Musk a tratasse como um dos melhores soldados de sua equipe.

Mas ela realmente entendeu mal Musk nesta ocasião, pois ele considerou o assunto de um ponto de vista muito imediatista, ignorando todas as contribuições anteriores de Brown.

Portanto, em apenas duas semanas, Musk descobriu que o emprego de Brown não era mais necessário. Quer dizer, para Musk — Brown não se tornou indispensável.

No artigo "What Elon Musk just taught us about becoming indispensable" tem um trecho que diz: “Se você concorda com a decisão de Musk de demitir sua assistente de seu cargo, isso ensina a importância de se tornar o mais indispensável possível antes de pedir um aumento. Por outro lado, se você ficar do lado do assistente, é um valioso lembrete para não passar anos sendo mal pago e desvalorizado. ”

Em 25 de agosto de 2015, Justine Musk, ex-esposa de Elon Musk, postou no Quora a partir de seu perfil verificado: “Mary Beth Brown começou a trabalhar para Elon logo depois que nos mudamos para Los Angeles há doze ou treze anos (Elon e eu ainda éramos casados então). MB era uma funcionária excepcional e dedicada de Elon, adorável de se lidar em um nível pessoal. Ela dedicou sua vida ao trabalho — e à nossa família — e a notícia de sua saída foi um choque para mim.

Aparentemente (de acordo, creio eu, com Ashlee Vance, que escreveu o livro sobre Elon), MB pediu um aumento. E disse a ela que se ela fosse realmente crítica para a SpaceX, ele não deveria conseguir desempenhar seu trabalho em sua ausência (ou algo parecido). Ele sugeriu um experimento de 3 semanas para testar o valor dessa hipótese. Isso me lembra algo semelhante que ele uma vez me disse, muitos anos atrás, depois que voltei de uma visita de uma semana com minha família do Canadá — que sua vida funcionou bem na minha ausência. Ele estava me informando que eu era uma gerente doméstica incompetente. (Ele não estava errado.) Então, das diferentes histórias que ouvi por trás da saída de MB da SpaceX, esta é a que ressoou em mim. (Embora você *nunca* deve usar a palavra ‘incompetente’ em associação com MB!)

Onde quer que MB esteja e o que quer que esteja fazendo, espero que sua vida seja fabulosa. Ela e eu nem sempre estivemos do mesmo lado, mas eu tenho — e sempre terei — um enorme respeito por aquela notável mulher. ”

A anedota da demissão de Brown foi refutada por Elon Musk.

Em 11 de agosto de 2017, ele twittou : “De todas as anedotas falsas, esta é a que mais me preocupa. Ashlee nunca checou essa história comigo ou com a minha assistente. É um absurdo total. ”

Ele ainda mencionou: “Mary Beth foi uma assistente incrível por mais de dez anos, mas conforme a complexidade da empresa crescia, a função exigia vários especialistas em vez de um generalista”.

Para aqueles que pensam que Musk é um santo que não pode errar — devo dizer-lhes, na verdade, Musk — como muitos empresários radicais — ele despede impiedosamente quem lhe discorda ou atrapalha (de acordo com um novo livro, Power Play : Tesla, Elon Musk e a aposta do século, de Tim Higgins).

Seja qual for o motivo real, acho que a anedota nos ensina algumas lições valiosas. Não devemos trabalhar em empresas onde nossa contribuição passa despercebida. Novamente, não devemos considerar nosso trabalho (ou nosso chefe) como algo garantido.

Porque não importa há quantos anos você está trabalhando na empresa ou o quão próximo você está da gestão — você pode ser substituído a qualquer momento . As empresas adoram demitir funcionários antigos e bem pagos e substituí-los por jovens com menos dinheiro.

Essa é a dura verdade. Portanto, tenha isso em mente e dê mais importância à sua vida pessoal do que à empresa em que trabalha.

E, claro, antes de pedir um aumento — não se esqueça de dar ao seu chefe pelo menos uma dúzia de razões (se não muitas) pelas quais você o merece. Além disso, é melhor não trabalhar nas empresas onde você precisa pedir aumento.

Fontes: Elon Musk: Tesla, SpaceX, and the Quest for a Fantastic Future by Ashlee Vance, INSIDER, Inc., Quora posting from the verified profile of Justine Musk, ex-wife of Elon, Independent, Ladders.

--

--

Nader Fares

Nader is a seasoned technologist and CTO with expertise in Agile methodologies, SDLC, cloud services, and innovation-driven growth.